Especial
16 dicas para evitar o mau uso das velas de ignição nas motos
Bosch apresenta causas e efeitos do mau uso e sugere procedimentos a serem adotados em cada caso

De vital importância para a alta performance e funcionalidade do motor, as velas de ignição levam energia para a câmara de combustão, proporcionando a queima da mistura de ar e combustível, por meio de uma centelha entre seus eletrodos. O tempo de vida útil da vela varia de acordo com o seu modo de uso, dessa forma, é recomendada a verificação a cada 10.000 Km. Essa análise revela muitas informações sobre as condições de operação do motor.

Para auxiliar no diagnóstico, a Bosch desenvolveu um manual ilustrativo com orientações que indicam as respectivas causas e efeitos do mau uso, levando em consideração a aparência desse componente. O material também traz informações sobre os procedimentos a serem adotados em cada caso. A substituição deve ser feita de acordo com seu aspecto. Confira as 16 dicas: 


1) Condições normais de uso 
O pé do isolador apresenta-se da cor branco-acinzentado / amarelo acinzentada a marrom-clara. O motor está em boas condições. O grau térmico da vela está correto. Os ajustes da mistura e da ignição estão adequados, não há falhas de ignição, o sistema de partida a frio funciona corretamente. Não há resíduos de aditivos de combustível, nem de partículas de óleo no motor ou sobrecarga térmica.

 
2) Fuligionosa (carbonização seca) 
O pé do isolador, os eletrodos e a carcaça da vela apresentam-se cobertos por uma camada fosca de fuligem preto-aveludada (seca). 

Causas: ajuste de mistura errado (carburador, injeção; mistura muito rica, filtro de ar muito sujo, afogador automático com mau funcionamento, afogador manual puxado por longo tempo, percursos curtos muito frequentes, vela de ignição muito fria para o motor. 

Efeitos: falhas de ignição, dificuldade de partida a frio. 
Soluções: ajustar ponto de ignição e regulagem de mistura, verificar o filtro de ar, evitar percursos curtos frequentes. Em casos de carbonização severa, substituir as velas de ignição e atentar para o uso do grau térmico correto. 



3) Oleosa (carbonização oleosa) 
O pé do isolador, os eletrodos e a carcaça da vela apresentam-se cobertos por uma camada fuliginosa brilhante, úmida de óleo e por resíduos de carvão. 

Causas: óleo em excesso na câmara de combustão, nível de óleo muito alto, guias de válvulas, cilindros e anéis do pistão estão gastos. Em motores a gasolina de 2 tempos, óleo em excesso na mistura. 
Efeitos: falhas de ignição, dificuldade na partida. 
Soluções: retificar o motor, usar a proporção correta de mistura ga solina / óleo (motor de 2 tempos), substituir as velas de ignição. 



4) Resíduos de ferro 
O pé do isolador, eletrodos e parte da carcaça da vela de ignição apresentam-se cobertos por sedimentos vermelho-alaranjados. 

Causas: aditivos de combustível ferrosos, resíduos de corrosão de peças do motor / sistema de combustível. O sedimento surge durante o funcionamento normal, depois de poucos milhares de quilômetros. 

Efeitos: o revestimento ferroso tem propriedades de condução elétrica, provocando falhas de ignição. 
Solução: substituir as velas de ignição 



5) Resíduos leves de chumbo 
O pé do isolador apresenta-se coberto por uma fuligem amarelo-marrom que também pode ter um tom esverdeado. 

Causas: aditivos de combustível contendo chumbo. A fuligem surge devido a uma operação do motor em plena carga após um longo períodoe operação em carga parcial. 

Efeitos: devido à operação em plena carga, os resíduos de chumbo adquirem propriedade de condutor elétrico, causando falhas de ignição. 
Solução: substituir as velas de ignição. 



6) Resíduos grossos de chumbo 
O pé do isolador apresenta-se coberto por uma fuligem espessa amarelo-marrom que também pode ter um tom esverdeado. 

Causas: aditivos de combustível contendo chumbo. A fuligem surge devido a uma operação do motor em plena carga após um longo período de operação em carga parcial. 

Efeitos: devido à operação em plena carga, os resíduos de chumbo adquirem propriedades de condutor elétrico, causando falhas de ignição. 
Solução: substituir as velas de ignição. 



7) Resíduos/ impurezas 
O pé do isolador, câmara de respiro e eletrodo massa apresentam-se cobertos com uma grossa camada cinzenta, de estrutura semelhante a cinzas soltas. 

Causas: as partículas de aditivos do óleo ou combustível podem causar a formação dessa cinza na câmara de combustão e na vela de ignição. 

Efeitos: pode causar pré-ignições, levando a p erda de potência e danos do motor. 
Soluções: reparar o motor. Substituir as velas de ignição e mudar o óleo, se necessário. 



8) Superaquecimento 
O eletrodo central está parcialmente fundido, a ponta do pé do isolador está esponjosa, amolecida e com bolhas. 

Causas: sobrecarga térmica extrema devido à pré-ignições, por exemplo, em virtude de ponto de ignição adiantado, resíduos na câmara de combustão, válvulas defeituosas, distribuidor com defeito, combustível de má qualidade, mistura pobre, vela aplicada com torque inadequado. É possível que o grau térmico da vela esteja muito elevado. 

Efeitos: falhas de ignição, perda de potência seguida de falha total (danos ao motor). 
Soluções: verificar o motor, ponto de ignição e regulagem de mistura. Substituir as velas de ignição e atentar-se para o uso do grau térmico correto. 



9) Eletrodo central fundido 
O eletrodo central está completamente fundido e o eletrodo massa possivelmente está parcial mente fundindo. 

Causas: a sobrecarga térmica devido à pré-ignições, por exemplo, em virtude de ponto de ignição adiantado, resíduos na câmara de combustão, válvulas defeituosas, distribuidor com defeito, combustível de má qualidade, mistura pobre, vela aplicada com torque inadequado. 

Efeitos: falhas de ignição, perda de potência, eventuais danos ao motor. 
Soluções: verificar o motor, ponto de ignição e regulagem de mistura. Substituir as velas de ignição. 



10) Eletrodos central e massa fundidos 
Os eletrodos apresentam um aspecto semelhante a uma couve-flor. É possível que tenha havido depósito de materiais que não são de origem da vela de ignição. 

Causas: sobrecarga térmica devido à pré-ignições, por exemplo, em virtude de ponto de ignição adiantado, resíduos na câmara de combustão, válvulas defeituosas, distribuidor com defeito, combustível de má qualidade, mistura pobre, vela aplicada com torque inadequado. 

Efeitos: falhas de ignição, perda de potência seguida de falha total (danos ao motor). 
Soluções: verificar o motor, ponto de ignição e regulagem de mistura. Substituir as velas de ignição. 



11) Desgaste excessivo dos eletrodos central e massa 
Causas: aditivos de combustível e óleo agressivos. Condições de fluxo desfavoráveis na câmara de combustão, eventualmente devido a depósitos, detonações no motor. Não existe sobrecarga térmica. 
Efeitos: falhas de ignição, principalmente durante aceleração (a tensão de ignição para grandes aberturasais eficiente). Performance de partida ruim. 
Solução: substituir as velas de ignição. 



12) Desgaste excessivo do eletrodo central

 Causas: não foi respeitado o intervalo para substituição das velas de ignição. 
Efeitos: falhas de ignição, principalmente durante a aceleração (a tensão de ignição para grandes aberturas de eletrodos já não é mais suficiente). Performance de partida ruim. 

Solução: substituir as velas de ignição.

 

13) Pé do isolador trincado 

Causas: danos mecânicos devido a impacto, queda ou pressão sobre eletrodo central em caso de manuseio incorreto. Em casos de limite - especialmente após o uso excessivamente prolongado (desgaste elevado) - o pé do isolador pode se romper devido a depósitos entre o eletrodo central e o pé isolador e devido à corrosão do eletrodo central. 

Efeitos: falhas de ignição. A centelha salta entre pontos que não podem ser alcançados eficientemente pela mistura. 
Solução: substituir as velas da ignição. 



14) Mancha corona 
Mancha marrom e seca no isolador cerâmico, próximo da carcaça da vela (região não protegida pelo cabo de ignição). 

Causas: surge durante operação normal, devido à atração e aderência de pequenas impurezas (vapor de óleo e sujeira) na região do isolador, junto à carcaça. Essa atração ocorre devido a um forte campo elétrico que é formado ao redor da extremidade da carcaça. 

Efeitos: esse efeito não é causado por va zamento de gases da combustão. É perfeitamente normal e não causa problemas de desempenho e operação da vela/motor. 

Solução: nenhuma ação necessária. 



15) Flashover 
Presença de marcas longitudinais semelhantes a um arranhado sobre o isolador cerâmico. 

Causas: o flashover ocorre quando existem condições suficientes para uma completa descarga elétrica, que se estende por toda a superfície do isolador, entre a carcaça e pino de conexão da vela. O efeito é causado quando a tensão de ignição é extremamente alta (desgaste elevado) ou existem resíduos como, por exemplo, sujeira ou água sobre o isolador (uso de cabos de ignição de má qualidade, deteriorados ou danificados). 

Efeitos: falhas de ignição.

 Solução: substituir as velas e cabos de ignição. 



16) Danos no isolador cerâmico 
O isolador cerâmico apresenta uma trinca ou quebra longitudinal. 
Causas: aplicação de força excessiva no corpo do isolador no sentido transversal. Exemplos: má u tilização da chave de vela, esforço lateral na remoção do cabo de ignição. 

Efeitos: falhas de ignição. 

Solução: substituir as velas de ignição. 

Compartilhar
Compartilhar por E-mail

Comentários

Para postar comentários é preciso estar logado, utilize os campos de acesso no topo desta página ou clique em cadastro
17/02/2014
Capacete não é chapéu!
04/02/2014
Harley-Davidson fecha 2013 com lucro
14/01/2014
Limitar velocidade de motos pode ser ineficaz, diz pesquisa
06/01/2014
Dez conselhos para proteger a sua moto de roubos e furtos
30/12/2013
10 dicas para alcançar seus objetivos em 2014
26/12/2013
Saiba mais sobre o suporte ideal para transportar bicicletas
23/12/2013
Como começar a poupar com o décimo terceiro?
11/12/2013
Natal: confira dicas de presentes para motociclistas!
04/11/2013
16 dicas para evitar o mau uso das velas de ignição nas motos
30/10/2013
Faixa de pedestre é para ser respeitada!
25/10/2013
Você conhece bem o câmbio da sua moto?
22/10/2013
Lançamentos e interatividade com o público fazem do Salão Duas Rodas 2013 o maior da história
17/10/2013
Honda e Harley-Davidson são as marcas de moto dos sonhos dos brasileiros
15/10/2013
Mais de 260 mil pessoas visitam o Salão Duas Rodas 2013
14/10/2013
Com foco em segurança, Abraciclo faz ação inédita de conscientização no Salão Duas Rodas
12/10/2013
Motos e acessórios femininos são destaques no Salão Duas Rodas
11/10/2013
Inazuma 250 é o destaque da Suzuki no Salão Duas Rodas
11/10/2013
Pneus e câmaras de ar para motos são lançados no Salão Duas Rodas
10/10/2013
X Motos do Brasil lança XM250 e XM450 Aluminum Frame no Salão Duas Rodas
09/10/2013
Yamaha VMax chega ao Brasil por R$ 99.000,00
CLIMA TEMPO
PARCEIROS